quinta-feira, dezembro 31, 2015

2016

O ano em que o diretor de serviço me avisa que a equipa vai estar excepcionalmente reduzida e, por isso, vou ter de assumir maior responsabilidade e mais trabalho.

Tinha de ser bissexto.


(Feliz ano novo para todos!)

domingo, dezembro 13, 2015

E falta pouco para ser feliz



Voltar a apaixonar-me pelo meu trabalho e pelo que faço.
Passar o fim-de-semana rodeada de livros e mantas, com os pés à lareira.
Concentrar-me nas coisas boas.

foto: fresh exchange

sábado, dezembro 05, 2015

"Why should a relationship mean settling down? Wait out for someone who won’t let life escape you, who’ll challenge you and drive you toward your dreams. Someone spontaneous you can get lost in the world with. A relationship, with the right person, is a release not a restriction."
- Beau Taplin // The Liberation


Ainda hoje falávamos sobre isto, há demasiadas pessoas a estagnarem no tempo, e a viverem presas a um projeto a dois, que nem é projeto nenhum, porque é fechado em si, e não dá lugar a progresso, nem à liberdade individual.
Há demasiadas pessoas a viver dentro de um casulo, e a exclamarem para todos nós cá fora como são felizes e livres.

domingo, novembro 29, 2015

Quando começa a tocar a "Hello", da Adele, na rádio...

... e o nosso cérebro continua "is it me you're looking for?" :P


Para mim o Lionel Richie vai sempre ganhar à dona Adélia...

Cause he's old school!

sexta-feira, novembro 20, 2015

Ainda não percebi porque é que, sempre que abro um site para ver uma série qualquer para desanuviar, o meu computador desata a mostrar-me uma quantidade de asiáticas e russas solteiras e à minha procura...
Quer dizer, eu só queria mesmo ver uma série, se quisesse uma russa ou uma asiática não era a este sítio que vinha...

terça-feira, novembro 10, 2015

Quando levas porrada da vida



Estou mesmo a precisar de um bocado disto e disto...

quinta-feira, novembro 05, 2015

Senhor de 60 anos, que entrou pelo seu próprio pé na urgência, descompensou e fui propôr para Cuidados Intensivos, que não o queriam aceitar por dizerem que estava "caquético". Entretanto lá o aceitaram, recuperou rapidamente e vou visitá-lo à enfermaria.

- Então Senhor X, como é que está?
- Eu cá estou bem, muito obrigada. E a doutora?

É engraçado as voltas que a vida dá.

segunda-feira, novembro 02, 2015

big mistake

Começar a fazer dieta na época das primeiras chuvas, em que o tempo anda mais cinzento e está super frio e só apetecem coisas quentes e docinhas...

quinta-feira, outubro 29, 2015

Àquele rapaz que me fez sair do meu lugar na biblioteca, onde estava sossegada a estudar, porque precisava mesmo de usar o computador para trabalhar, e o meu lugar era o mais próximo do computador....
e 5 minutos depois, quando olho pelo canto do olho, está a jogar poker online...

O que tenho para te dizer, moço, é isto:




sábado, outubro 24, 2015

Aquele momento em que o nosso pai vem das compras e nos traz, dissimuladamente,...
uma garrafa de Lambrusco, porque sabe que gostamos! :)

Best dad in the world

segunda-feira, outubro 12, 2015

Oh não, pensa, vai ser uma daquelas viagens.
Sentada no avião, que agora inicia a descida, começa a sentir aquela pontada fina como quem lhe espetasse uma faca na nuca. Constante, permanente, compressiva, sem forma de alívio. Sente também nos olhos a mesma compressão, como se lhe empurrassem os olhos para a parte superior da órbita com dedos invisíveis. Já não consegue continuar, levanta os olhos do livro. O senhor gordo a seu lado vai contente, nem dá por nada.
A hospedeira loira com cara de alemã e bochechas rosadas, extremamente sorridente, passa por ela e faz sinal a perguntar se está tudo bem e se tem o cinto apertado. Faz um sorriso forçado, amarelo, e acena que sim. Pelo menos é a resposta a uma das perguntas.
(Mais uma que a vai achar snobe.)
Olha pela janela. Branco, nuvens, nada. Por momentos acha que apenas vê branco porque fechou os olhos, mas fecha e volta a abri-los e é-lhe devolvida a mesma visão: branco, nada. Céu espesso de nata branca. Não costuma observar a descida do avião pela janela, (desde há algum tempo que chegou à conclusão de que não vale a pena ansiar pela mudança da mesmisse de todas as descidas), mas desta vez está curiosa, imagina o que verá o piloto, sendo que ela não vê nada. Ou será que não vê nada também, e guia o avião com o instinto? Esta ideia anima-a e interessa-a.
O primeiro toque do trem de aterragem no chão. (Seco, vai correr bem). Habituou-se a prever a aterragem com este primeiro toque, e não se costuma enganar. Habituou-se também a prever a probabilidade de palmas no final da aterragem em função do número de  cabeças loiras no voo. São pensamentos inúteis que se adquirem com o talhar da vida. Mesmo que os evite pensar, eles impõem-se, intrusivos, sedentos de padrão e constância.

25ºC temperatura local. Merci au revoir. Confusão de gabardines cinzentas, corredores brancos contínuos, e o som das rodinhas a rolar no asfalto.
Capítulo encerrado, vamos voltar ao trabalho.

sábado, outubro 03, 2015

Percebo que já não estou habituada a morar no centro do país..

...quando, de visita a Lisboa, escolho de propósito, para tomar o pequeno almoço um determinado café pelo fato de ser Delta... só para depois me aperceber,à saída, que todos os cafés daquela rua também o são.

segunda-feira, setembro 28, 2015

Músicas fofinhas





Keep calm and... you're almost on vacation!

quarta-feira, setembro 23, 2015

Em modo medicina interna "varias- urgencias- de- 16- horas- por- semana"

Estou a tentar fazer um trabalho para apresentar no serviço, e digo-vos:
quem me dera ser gato...

A propósito: link

domingo, setembro 13, 2015

slow and sweet



Por cá passou-se um fim-de-semana a trabalhar à secretária, embalada com o cheiro adocicado de canela e vinho do porto, a cozer lentamente ao fogão, ao som de bom jazz. (Receber quilos de marmelos de uma só vez dá nisto...)
O cão no pátio, indeciso entre vir cá fora apanhar uns pingos de chuva no nariz ou deixar-se ficar enrolado na manta, dentro da casota.

Num Setembro que chegou embrulhado em Outono.

Música para embalar os sentidos

quinta-feira, setembro 03, 2015

É triste, mas é verdade. Ontem prescrevi uma dieta hipercalorica a uma doente, com uns pudins, e fiquei cheia de inveja dela, a babar-me por aquelas maravilhas gelatinosas e caramelizadas.
Posto isto, mal saí do hospital fui comprar os ditos cujos, para saciar a minha gula.


E foi assim que me deparei com um flagelo da sociedade:
- depois das embalagens de abertura fácil que não são nada fáceis de abrir,
- depois do descafeinado, que é café a fingir que não é,
- depois dos pacotes de batatas fritas de 100g, que vendem 50 g de batatas + 50g de ar de bónus
...
surgem os potes de pudim com ranhuras e relevos estúpidos, onde se perde metade daquela delícia de pudim.
Como não entrar em colapso quando a porcaria da colher não atinge as bordinhas do relevo do fundo do pudim? É uma tragédia, meus amigos.
Uma tragédia.




quarta-feira, agosto 26, 2015

via GIPHY

"Sentia-se tão longe de ti, tão longe de tudo
pairando, solitário,
numa espécie de deserto interior,
como se não houvesse ninguém em torno dele"

A explicação dos pássaros,
António Lobo Antunes


https://www.youtube.com/watch?v=2WV9KqNpVuQ

sábado, agosto 22, 2015

"The times they are a changin'"

Estou a ir ao ginásio (!) num Sábado (!).

Já nem sei quem sou.

quarta-feira, agosto 19, 2015



Passo o dia a ajudar pessoas, ainda hoje de manhã tirei líquido do pulmão de um homem que se queixava de falta de ar, a ver se o alivio, passei um medicamento a outro para ver se o formigueiro que ele tinha nos pés lhe passa de vez, ainda adiantei mais uns trabalhos e estudos para apresentar em congressos, e no entanto a sensação é de que há sempre alguma coisa que me falta, alguma coisa em que estou a falhar, a sensação de que nunca sou suficiente, que devia ser mais.
Se sou muito pragmática e autoritária, deve-me estar a faltar abertura, o "think outside of the box".
Se sou muito pouco objetiva e indecisa, deve-me estar a faltar o foco.
Se sou muito carinhosa, deve-me estar a faltar a imparcialidade e análise objetiva da realidade.
Se sou pouco carinhosa, um bocado mais de compaixão e empatia.
Há sempre uma sensação de que não (me) basto...

Raça de condição humana!

sábado, agosto 15, 2015

"Et tu, Brutus?"

Sim, também eu fui de férias agora no Verão.
Mas já voltei, descansem, e não houve fotos no facebook/instagram/twitter (acho que este ultimo nao dá para fotos) de locais bonitos com prados verdejantes, e praias e piscinas, e golfinhos e nadar no alto mar, e vida de papo para o ar.
Portei-me bem, sou boa menina.

quinta-feira, julho 23, 2015

Odeio pessoal de férias

"Boas férias", dizem as senhoras a sair do consultório
"Boas férias", dizem os reformados a sair da urgência
"Boas férias", dizem os miudos aborrecidos, a jogar playstation
"Boas férias", diz o pessoal nojento a pôr fotos de praias e minis no facebook

 

foto de https://instagram.com/miguelcarrizo/



Já disse que odeio pessoal de férias?

sábado, julho 04, 2015



Um instagram lindo para me fazer sonhar e relembrar o sul de França

domingo, junho 28, 2015

É assim, vá...idiota!

Alguém me há-de explicar qual é a lógica daquele género de gajos, no ginásio, geralmente todos musculados e com grande arcabouço, que gostam de passear uma espécie de "top", -que é como quem diz um pedaço de pano- que não tapa nada e deixa tudo à mostra na mesma, para se ver os peitorais todos.

sexta-feira, junho 19, 2015

E então, Sofia, que tal é voltar de férias?

"Dieta recomendada:
- alimentos cozidos e preparados em casa
- canja de galinha + água de arroz
- rehidratante oral
- banana, maçã cozida

EVITAR:
- açúcar, doces, mel, chocolate, gelados, condimentos, leite"

É.
É bom.

quarta-feira, junho 17, 2015

Descobertas que me animam



Ouvir isto enquanto se voa é qualquer coisa :)

E recomendo o CD da Laura Mvula com a Metropole Orchestra, que é todo ele lindo!

quarta-feira, junho 03, 2015

Gosto muito de vocês


Halong Bay, Vietnam

...mas ainda gosto mais de férias.

Por isso vou apanhar um voo para ir para este sítio, onde planeio passear bastante e não pensar absolutamente nada em trabalho e horários.
E vou a dançar como estes senhores durante a viagem de avião.
...
Durante as 48 horas de voo.
A sério.

quarta-feira, maio 27, 2015

"O que me interessa saber é se aquela pessoa ajuda o seu próximo caso o veja aflito ou se passa ao lado e finge nem ver a sua aflição.Isso sim, é deplorável. Mas é muito mais fácil arrumar as virtudes em caixinhas que se podem identificar à primeira vista do que procurar a virtude que se esconde no íntimo de cada um. Para isso é preciso que saiamos da nossa bolha e que vamos ao encontro do outro.

Este movimento ao encontro do outro afigura-se como a fobia do seculo XXI. Tudo está feito para que possamos viver sem precisar e ninguém. Deixámo-nos isolar e deixámo-nos, sobretudo, convencer de que estarmos isolados é uma fortaleza. Não é. É uma fraqueza enorme da qual se aproveitam os que pretendem uma sociedade dirigida por interesses obscuros.

Por isso, por estarmos tão afastados uns dos outros, não hesitamos em julgar-nos por aquilo que conseguimos avistar , ali, de longe, míopes por opção. Miopia é igual a estigmatismo, não para os oftalmologistas, mas para a minha "liberdade poética". A miopia cria estigma: as tais caixinhas onde arrumamos os outros, depois e uma análise superficial às suas vidas.

Não nos admiremos pois que, ao transformarmos os outros em figuras-tipo, acabmeos nós por sermos transformados igualmente em figuras redundantes, pouco complexas, personagens de novelas de cordel, figuras sem corpo nem densidade e, ainda por cima, míopes de coração."

Crónica de Ana Bacalhau in Noticias Magazine, Publicado originalmente na edição de 24 Maio de 2015
Há pessoas normais.

E depois há aquelas pessoas, como a minha mãe, que quando acabam de lavar a loiça guardam o detergente da loiça num armário, bem escondidinho, não vá lá um ladrão atrevidote aparecer aí de surpresa em casa e começar a lavar a loiça toda, o malandreco!

sexta-feira, maio 08, 2015

Chegar ao final da semana, em casa, apagar as luzes, 
acender umas quantas velas,
pôr um jazz a tocar, 
tomar um banho longo,
pôr exfoliantes e cremes e tudo-o-que-não-temos-tempo-de-pôr-durante-a-semana,
e deitar-me numa cama quentinha com lençóis lavados de novo

I'm in heaven :)

Signos e cenas

A previsão para o meu signo:
"bla bla bla. Este é um período em que lhe faz bem cuidar do seu corpo, poderá mesmo fazer uma dieta."

E eu penso:
"E deitar fora aquela embalagem de tulicreme que comprei agora?
Ná, que desperdício!"

Quando eu aparecer por aí a rebolar já sabem...

domingo, maio 03, 2015

Estou a adorar este livro :P

"Já se viu com que facilidade Frei Martinho absolve os pecados de tentação do pintor Raimundo da Anunciação, que o escolheu com critério e argúcia para seu confessor. Conhecendo-lhe o passado brejeiro de Lisboa, Raimundo não precisa de saber do seu presente que mantém o mesmo traço de volúpia, o ceder às mesmas tentações de uma compleição bem nutrida e exigente que o leva a fazer letra morta do disposto nas Definições impostas no Capitulo Geral celebrado em 1784, segundo as quais é vedado "meter mulheres dentro do Mosteiro ou cerca dele com mau intento". Surpreendido um par de vezes no barraco das alfaias da horta dos frades por irmãos da Ordem, demasiado zelosos, em flagrante delito de violação das Definições, Martinho sempre negou o "mau intento", encontrando santas razões para a episódica presença nas excessivas cercanias do seu hábito de burel de alguma loureira feirante, criada do Psço, lavradeira de Sto Isidoro, lavadeira de trouxa aviada, todas oficialmente em busca de sossego para a alma, mas realmente consolando necessidades mais terrenas que só o frade e Deus, a quem dá contas, conhecem."

in Razões de Coração, Álvaro Guerra

domingo, abril 12, 2015

Rechear o fim-de-semana de coisas boas



Este concerto deve ser tão tão bom...

sábado, abril 11, 2015

This is what I call a man with style


Steve Coogan no filme "Philomena"

Precisam-se mais destes! :)

quarta-feira, abril 08, 2015


sábado, março 28, 2015

Já cantavam os Air: "biological"...

(foto: www.tapasnalingua.com)

Das coisas que mais gosto ao fim-de-semana, quando posso, é ir ao mercado municipal comprar legumes e fruta. E a felicidade que me dá, andar entre as bancas a escolhê-los, a namorar as suas cores, a ser inundada pelos cheiros... E chegar a casa com um saco de morangos lindos, vermelhos, e super saborosos!


quinta-feira, março 19, 2015

Chegamos ao quarto e deparamo-nos com um senhor  de 70 anos tetraparético, caquético, emagrecido, com traqueostomia, sem reação... O que há a fazer? Muito pouco...
À saída, cruzamo-nos com o filho.
"Eu pelo meu pai vou aonde tiver que ir. Digam-me o que faço! É para ir a outro país? É pelo dinheiro? Não quero saber de nada disso, eu não vou desistir do meu pai. Nunca vou desistir deste homem."

Saímos de lá com um nó na garganta e uma sensação de impotência.
E pensar que amanhã é dia do Pai e este senhor é capaz de já não o ter...

segunda-feira, março 16, 2015

No fim-de-semana...

 
 
"Guarda, Silvia, che bella A Ribeira!"
 
E sentir o peito a transbordar de orgulho... :)

terça-feira, março 03, 2015

Hoje passo por aqui muito rapido, so para deixar um link

"Há quem defenda que pensar muito, ou demais, é prejudicial à felicidade. Alain de Botton pensa exatamente o contrário. E é feliz, ou pelo menos aparenta.
Ateu, Botton escreve livros em que os ensinamentos da filosofia substituem o consolo que muitas pessoas encontram na religião. Na verdade, isso foi apenas o começo, porque os últimos livros deste suíço radicado em Londres tentam demonstrar como as viagens, a arquitetura, e mesmo as notícias (sim, as notícias), podem tornar a nossa vida mais feliz, ou pelo menos mais interessante.
Os seus livros são difíceis de classificar, e tanto se encontram nas estantes de auto-ajuda, como nas de manuais práticos (tipo “a felicidade para idiotas”), ou nas de ensaios, ou mesmo de filosofia.
Nos últimos anos, a par do livros, criou uma escola (The School of Life), na qual ensina os mesmos princípios.
E foi dessa escola que nasceu… um livro: The Book of Life (O Livro da Vida). Este livro apenas tem existência online e nunca está verdadeiramente escrito, já que os capítulos são sendo acrescentados e modificados.
No fundo, o livro segue a mesma orientação de tudo o que Button faz: fornece informação (cultura, se quisermos) para que, através do conhecimento e da reflexão, possamos melhorar as nossas vidas. Sim, isto soa à “banha da cobra” de certas obras de auto-ajuda, mas Botton não nos promete nenhuma salvação, nem nenhuma magia. Apenas nos propõe que tornemos a nossa vida mais rica, que o resto virá depois.
Os capítulos versam sobre o quotidiano, a profissão, os relacionamentos e toda a cultura geral. Além dos textos, há alguns vídeos bem interessantes, como por exemplo sobre os filósofos da Grécia antiga."

http://www.thebookoflife.org/

Se bem que isto vai contra a minha filosofia, que é a de quem pensa muito geralmente faz é mais asneira :P

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Porque há dias assim...

em que só nos apetece enfiar a cabeça num balde e gritar.

domingo, fevereiro 01, 2015

Hoje lembrei-me daqueles jogos de criança, quando se joga aos tiros, e invariavelmente quando alguém morre grita um sofrido "Morri!" bem alto, e põe a língua de fora. Só para não deixar dúvidas que, de fato, se morreu.
Era tão bom que na vida real fosse assim também. Tornava as verificações de óbito muito mais fáceis. Era só estarmos na nossa vidinha sossegadinhos, e depois quando alguém lá lhe desse para bater as botas, avisar-nos-ia lá do fundo do corredor com um vívido "Ai! Morri!" (vívido morri...get it?) e nós chegávamos lá descansadinhos, constatávamos que a pessoa em questão tinha a língua apropriadamente de fora, e dizíamos "pois é, sim senhor".
É claro que isto daria azo a alguns percalços, como por exemplo darmos por morta uma senhora e depois, vai-se a ver, coitada, só tinha adormecido com um caramelo preso na dentadura.

O meu humor anda meio mórbido, não anda?

sábado, janeiro 24, 2015

Planos para o fim-de-semana



Um filme bonito sobre como viver com Alzheimer.
Tem é a Kristen Stewart.
Mas pronto, não se pode ter tudo.

sexta-feira, janeiro 23, 2015

Feeling dumb

Às vezes penso que a maneira como eu me sinto quando vou à oficina com o carro e tenho uma data de homens a falarem entre eles sobre o motor, enquanto olham para as pecinhas dele, e dizem coisas como "correia", "luz de injeção", "filtro do motor" , etc, deve ser mais ou menos a sensação que têm os doentes que levam os familiares às urgências do hospital.
São segundos em que sinto a cabeça totalmente oca e em que levo o coração nas mãos.

Aí sim, percebo o que é não perceber patavina do que se passa à minha volta.
E não é bom, pessoas. Não é bom.

sexta-feira, janeiro 16, 2015

E receber um doente em coma hipoglicémico na urgência, e quando procuramos as tiras e os medidores de glicémia responderem-nos com um "não temos...estão esgotados..."


Eu prometo que vou voltar a fazer posts sobre coisas não médicas. Proximamente. A sério.

quarta-feira, janeiro 14, 2015

Se há alguma coisa que aprendi com os últimos dias, é que ainda bem que não escolhi a especialidade de Medicina Interna.
É que não é mesmo para mim.
E ainda para mais, nesta altura em que faltam camas, faltam macas, falta material, falta pessoal, e sobram doentes e bactérias.
Puxa! É pensar que é só um ano disto...